"Comprar o que é nosso"
As vantagens do Patriotismo.

Já há alguns anos que existe em Portugal o movimento "Compre o que é nosso", definido pela divulgação de uma imagem que aparece na maioria dos produtos fabricados em Portugal. A ideia sempre foi a de incentivar a compra de produtos "made in Portugal", no sentido de estimular a economia portuguesa, mas certo é que hoje, mais do que nunca, é feito o apelo aos portugueses para que comprem o que é português.

Recentemente foi o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, que veio mais uma vez a público defender que "neste tempo difícil que o país atravessa", é "patriótico" que Portugal consiga "produzir mais e melhor" e que os portugueses "prefiram" os produtos nacionais: "Nesta hora, que é tão decisiva para o nosso país, não deixem de olhar à origem dos produtos que compram e, sempre que possível, comprem os produtos portugueses".

Só assim, explicou, os portugueses poderão "ajudar a diminuir os nossos desequilíbrios e contribuir para diminuir a nossa dívida com o exterior, que é o nosso grande problema, neste momento. Se não aumentarmos as exportações e diminuirmos as importações, se não conseguirmos aumentar a poupança interna e se não reconquistarmos a confiança dos investidores internacionais, posso dizer que, no futuro, enfrentaremos problemas tão graves de financiamento da economia portuguesa como estamos a enfrentar".

Compro o que é nosso

O projecto "Compro o que é nosso" tem seis grandes objectivos: Mobilizar os empresários portugueses para serem mais competitivos em preço, qualidade e inovação; Contribuir para o desenvolvimento sustentado das empresas, para a criação de emprego e para o reforço da internacionalização; Mobilizar os trabalhadores a produzirem com brio e a terem orgulho no tecido empresarial português; Mobilizar consumidores a preferirem produtos e marcas que geram valor acrescentado em Portugal sensibilizando-os para os benefícios económicos e sociais que tal comportamento terá no nosso país (aumento do PIB, redução do desemprego, equilíbrio da balança comercial, etc.); Dinamizar a economia; Elevar a auto-estima e o amor-próprio dos portugueses.

A marca "COMPRO o que é nosso" é um testemunho de convicção, dado na primeira pessoa, inspirado num logótipo que reflecte três mensagens: os valores patrióticos identificados pelas cores da bandeira nacional; a letra P, normalmente presente em todas as aplicações em que é necessário abreviar o nome Portugal; a forma de gota como símbolo de unidade que representa o pequeno esforço "gota a gota" necessário à recuperação plena da economia.

Desafio 6 meses

Circula ainda por toda a Internet, em especial pelas redes sociais, um apelo a que, nos próximos seis meses, façamos mesmo um esforço de só comprar produtos nacionais. A ideia surge em dois passos:

1 - Experimente comprar preferencialmente produtos fabricados em Portugal.

2 - Adie por 6 meses a 1 ano todas as compras de produtos estrangeiros, que tenha planeado fazer, tais como automóveis, TV e outros electrodomésticos, etc".

Diz o comunicado que "há quem afirme que bastaria que cada português substituísse em somente 100 euros mensais as compras de produtos importados, por produtos fabricados no país, para que o nosso problema de falta de crescimento económico ficasse resolvido. Representaria para a nossa indústria, só por si, um acréscimo superior a 12.000.000.000 de euros por ano, ou seja uma verba equivalente à da construção de um novo aeroporto de Lisboa e respectivas acessibilidades, a cada 3 meses".




O "Movimento 560"

Todos os produtos feitos em Portugal ou de marcas portugueses têm um código de barras que os torna fácil de identificar. 560 é sempre o número de início do código, seja qual for o tipo de produto. Por isso foi já criado o "Movimento 560", que incentiva todos os portugueses a pres tarem mais atenção ao código de barras na altura de comprarem um produto: "Bem, na hora de escolher, é bastante fácil tomar uma atitude correcta: procure no produto, o código de barras e verifique se ele co meça por 560, seguidamente confirme na embalagem a origem do produto. Quase todos os produtos portugueses começam por 560 no código de barras".

O Movimento justifica assim a sua razão de existir na fase que Portugal atravessa: "Os portugueses vivem hoje num clima de crise, desde o desemprego, à nossa fraca econo mia. Frequentemente, quando vamos às compras, tentamos ir à procura do produto mais barato, mas o que agora é barato, pode vir a curto prazo, a tornar-se muito caro para todos nós. Desde a mais pequena especiaria ao peixe que comemos, o nosso mercado está inundado por produtos fabricados no es trangeiro.

Tendo normalmente esses países uma economia mais forte que a nossa, con seguem vender os seus produtos a um preço mais baixo e, desta forma, somos levados, a comprá-los. Mas, quando o fazemos, esta mos a contribuir para um maior crescimento das exportações desses fabricantes estrangei ros e, sem dúvida, por vezes, a tirar postos de trabalho no nosso país. Quando não compra mos produtos nacionais e compramos artigos estrangeiros, os nossos fabricantes são obri gados a subir o preço dos seus produtos para compensar as quebras de produção".