Um ano inteiro sem Pólio em África

Apenas a um passo da erradicação da poliomielite no mundo, no dia 24 de julho de 2015 a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que em agosto se comemora um ano sem pólio na Nigéria. Um facto que nunca tinha acontecido antes e, graças à ajuda indispensável de rotários em colaboração com a UNICEF, a Fundação Bill e Melinda Gates e outras ONGs, este marco é agora uma realidade. O Rotary é uma das organizações líderes da Iniciativa Global para a Erradicação da Pólio (GPEI).
O último caso foi reportado em 24 de julho de 2014 no estado de Kano, que fica no norte do país. Se nenhum caso for registado nas próximas semanas, a Organização Mundial da Saúde poderá retirar a Nigéria da lista de países endémicos, da qual apenas Afeganistão e Paquistão passarão a fazer parte.
A Nigéria é o último país de África onde a pólio ainda é endémica. O continente também está a caminho de completar o seu primeiro ano sem nenhum caso do vírus selvagem a 11 de agosto.
“Cada rotário deve orgulhar-se desta conquista”, diz o presidente do Rotary International, K.R. Ravindran. “Nós entramos para a história e ajudamos a colocar a África no rumo certo para um futuro livre da pólio. Mas ainda não alcançamos a nossa meta de erradicar a doença globalmente. Os nossos esforços para arrecadar fundos, aumentar a consciencialização pública e defender a causa junto dos governos são mais cruciais do que nunca.”
Vários fatores colaboraram para o alcance deste progresso na Nigéria, incluindo um forte apoio financeiro nacional e internacional, a dedicação de milhares de agentes da saúde e novas estratégias para chegar a crianças que não tinham sido vacinadas devido à falta de segurança nos estados do norte do país.
“O compromisso do Rotary é o principal motivo do sucesso na Nigéria”, diz Tunji Funsho, presidente da Comissão Pólio Plus no país. “Este compromisso contagiou líderes políticos, resultando em apoio governamental por meio de recursos financeiros e humanos. Este apoio alastrou-se por todos os níveis governamentais: federal, estadual e local.”
Em junho, o Rotary anunciou a alocação de US$19 milhões em subsídios para atividades de combate à pólio na África, incluindo quase US$ 10 milhões para a Nigéria. Desde 1985, quando lançou o programa Pólio Plus em apoio aos esforços de erradicação da poliomielite, a organização já contribuiu mundialmente mais de US$1,4 biliões para a causa.
“Nós alcançamos um grande progresso e nunca estivemos tão próximos de erradicar a pólio na Nigéria e em todo o mundo, mas ainda não podemos comemorar plenamente”, diz Funsho. “Temos alguns anos de grandes desafios antes que a OMS certifique a Nigéria e toda a África como livres da pólio.”