Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão
dá exemplo solidário

“Unir a equipa é um bom começo, manter a união
é um progresso e trabalhar em conjunto é a vitória”

Com o objectivo de divulgar mais um projecto enquadrado no novo regulamento de candidatura a projectos de apoio da Fundação Rotária Portuguesa (FRP), o Notícias, conversou com Paula Daniela Costa Rodrigues (past-presidente do Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão e com Vera Lúcia da Silva Faria, past-secretária do mesmo clube, ligadas ao projecto “Doação de 1 Televisão à Associação Teatro Construção”, que decorreu entre os meses de Fevereiro e Março deste ano. O projecto enquadrou-se na ênfase “Combate à Fome e à Pobreza”.

Notícias (N.) – Este é o quarto projecto de apoio no âmbito do novo regulamento que o Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão candidata. Que balanços fazem?
Paula Rodrigues (P.R.) e Vera Faria (V.F.) Candidatamos quatro projectos com a nossa identidade, em nome do Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão. Na realidade já fizemos oito, mas os primeiros foram executados pelo nosso Rotary Club Patrocinador, os projectos eram nossos, apoiados pelo Rotary Club de Vila Nova de Famalicão. Há cerca de dois anos atrás, Diamantino Gomes, presidente da Fundação Rotária Portuguesa (FRP), incentivava a Juventude Rotária a fazer os próprios projectos. Desde então, passamos a ser autónomos na realização completa da candidatura. O balanço é extremamente positivo. É lema do Rotaract Club Vila Nova Famalicão candidatar sempre projectos à FRP. Para além de fomentar o espírito da entrega ao Ideal de Servir, demonstra também que não estamos sós na angariação de fundos, mas podemos contar com a FRP como apoio e parceira para os projectos de ajuda comunitária devidamente estruturados. Com o apoio da FRP conseguimos atingir rapidamente os objectivos que abraçamos. Não é novidade, mas a realidade é que temos um carinho muito grande pela nossa Fundação e por todos os que a constituem.
N. – O projecto que candidataram em Fevereiro último, enquadra-se na ênfase Combate à Fome e à Pobreza e teve por objectivo apoiar o projecto de cariz humanitário da Associação Teatro Construção (ATC). Quer explicar-nos em que consistiu a ajuda do Rotaract.
P.R. e V.F. – Era uma meta do Rotaract Club de Vila Nova Famalicão, apoiar a IPSS – Associação Teatro Construção (ATC), que tem por objectivo o desenvolvimento a integração social, o apoio comunitário, nomeadamente à infância, juventude, deficiência, família e terceira idade, em situação de carência socioeconómica, na Vila de Joane, concelho de Vila Nova Famalicão, actualmente são 25 as crianças institucionalizadas. No passado dia 15 de Fevereiro, visitámos as instalações, onde detectamos algumas carências da IPSS, nomeadamente a falta de televisores, computadores, meios informáticos. Após uma conversa com o director da instituição, Francisco Melo, chegamos à conclusão que a prioridade seria o Rotaract ajudar as 25 crianças oferecendo 2 televisões para a instituição. Na nossa opinião, quando fazemos o que gostamos, fazemos com amor e dedicação, sendo assim o SUCESSO a consequência.
N. – Mas, o apoio do Rotaract Club de Vila Nova de Famalicão não se fica só pela entrega televisores à associação que desempenha importante trabalho na área da acção social, nomeadamente, o apoio comunitário à infância e juventude. O clube tem contribuído com outro tipo de apoios. Quer exemplificar?
P.R. e V.F. – Somos jovens que trabalhamos por objectivos, estabelecemos metas às quais o nosso maior desafio é a concretização. Somos um grupo coeso e em unanimidade decidimos quem devemos apoiar. Relativamente ao ATC, para além da televisão, oferecemos 100 pacotes de leite, doamos uma segunda televisão e proporcionamos uma manhã de cinema, com uma prenda e lanche para cada criança. Os projectos mais recentes que desenvolvemos em parceria com a FRP foi o apoio à Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Vila Nova de Famalicão, com a oferta de bens alimentares/roupas e brinquedos. Continuamos a apoiar os incapacitados, doando cadeiras de rodas eléctricas/motas eléctricas a pessoas com deficiências motoras e com carência financeira. Ainda no âmbito da saúde, oferecemos uma prótese dentária. Apadrinhamos a Rita Cunha, com a doação de uma luva cosmética para a prótese do membro superior. No ano rotário que findou apoiamos um jovem famalicense que estava no 1.º ano da Universidade do Minho no curso de História e não tinha possibilidades financeiras para continuar a estudar, desse modo, patrocinámos o Marco com uma Bolsa de estudo da FRP. Acreditamos que podemos mudar o mundo, passo a passo, sonho por sonho, como quem lança uma estrela ao mar que encontra na areia da praia trazida pela maré, sem ficar, passivamente, a contemplar os milhares de estrelas que se encontram perdidas ao longo na costa. Como alguém que diz: “Não posso salvar todas as estrelas-do-mar mas o que fiz por esta, sei que já fez toda a diferença!”
N. – No futuro o clube pretende desenvolver mais projectos? Em que área(s)?
P.R. e V.F. – Somos um clube de causas, neste momento estamos a iniciar campanhas de angariação de fundos para a doação de uma formação de uma Equipa Salvamento Grande Ângulo, em prol da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Famalicão. Projecto que será em parceria com a FRP. Tencionamos implementar em Vila Nova de Famalicão projectos pioneiros na área da acção social, com o apoio do Município e instituições famalicenses que diariamente solicitam o nosso apoio. Sabemos que em Rotary não se agradece, RETRIBUI-SE, por isso PROMETEMOS continuar a dignificar o nosso movimento e sobretudo a honrar a nossa Fundação.
“Unir a equipa é um bom começo, manter a união é um progresso e trabalhar em conjunto é a vitória”.
Somos jovens, somos sonhadores e lutadores, aprendemos com o nosso fundador Paul Harris, a Dar de Nós, Antes de Pensarmos em Nós. Vivemos Rotary na sua essência e temos a felicidade de ter no movimento parte dos nossos grandes amigos, acreditamos que estes são os ingredientes essenciais para nunca desistirmos e continuarmos a ajudar o próximo.