Rotary Club de Vila Nova de Gaia aposta
na ajuda a famílias carenciadas

Candidatura a projectos de apoio da Fundação Rotária Portuguesa

“Notícias” da Fundação Rotária Portuguesa (FRP) dá continuidade à divulgação de projectos enquadrados no âmbito do novo regulamento de candidatura a projectos de apoio da FRP. Falámos com Américo Ferreira Camarinha, tesoureiro do Rotary Club de Vila Nova de Gaia e responsável por acompanhar a realização do projecto “Oferta de 50 cabazes de Natal com géneros alimentares” que está a ser implementado pelo clube. O projecto tem por finalidade o apoio a famílias carenciadas e já identificadas através de IPSS da comunidade de Vila Nova de Gaia e que o clube tem acompanhado noutras ocasiões. O projecto enquadra-se na ênfase “Combate à Fome e à Pobreza”.

Notícias (N.) – O RC Vila Nova de Gaia desde a entrada em vigor do novo Regulamento de Candidatura a Projectos de Apoio à Fundação Rotária Portuguesa candidatou 2 projectos enquadrados ênfase Combate à Fome e à Pobreza. Qual o balanço que faz?
Américo Ferreira Camarinha (A.F.C.)Balanço francamente positivo, na medida em que permite a entrega de mais cabazes e como todos sabemos as carências são muitas. Também já o fizemos com o apoio da Fundação Rotária de Rotary Internacional.
N. – Em Setembro último o clube candidatou um projecto na ênfase do Combate à Fome e à Pobreza. Em que consiste?
A.F.C.O projecto surge na continuação do nosso projecto cabazes de natal.
N. – De que forma é que o clube teve conhecimento das cerca de 50 famílias que irão beneficiar dos cabazes de Natal?
A.F.C.São famílias e instituições já referenciadas, como Aldeia S.O.S, Autistas de Gaia, Bom Samaritano de Pedroso, e outras que surgem ocasionalmente.
N. – Esta iniciativa surge no seguimento de outra que desenvolvem por altura da Páscoa. As beneficiárias são as mesmas famílias?
A.F.C.Sim. Normalmente são as mesmas famílias.
N. – Para concretizar este projecto o clube conta apenas com o envolvimento dos companheiros ou também tem parcerias?
A.F.C. – Não temos parcerias. Apenas os companheiros do clube participam activamente no projeto.
N. – No futuro pensam candidatar projectos enquadrados noutras ênfases ou continuarão a privilegiar estas duas acções que desenvolvem anualmente?
A.F.C. – Naturalmente que queremos implementar projectos noutras ênfases, mas vamos manter estes dois.