Educação é a prioridade
do Rotary Club da Figueira da Foz

Candidatura a projectos de apoio da Fundação Rotária Portuguesa

“Notícias” da Fundação Rotária Portuguesa (FRP) dá continuidade à divulgação de projectos enquadrados no âmbito do novo regulamento de candidatura a projectos de apoio da FRP. Neste âmbito, conversámos com Maria Teresa de Figueiredo Viana Machado, representante do Clube à FRP e responsável por acompanhar a realização do projecto “Bolsas de Estudo” que está a ser implementado pelo Rotary Club da Figueira da Foz. O projecto tem por finalidade o apoio a 10 jovens estudantes e enquadra-se na ênfase “Alfabetização e Educação”.

Notícias (N.) – O RC da Figueira da Foz desde a entrada em vigor do novo Regulamento de Candidatura a Projectos de Apoio à Fundação Rotária Portuguesa candidatou projectos que somam 20 bolsas de estudo. A Educação é a grande aposta do clube?
Maria Teresa Machado (M.T.M.) – O Rotary Club da Figueira da Foz tem como uma das suas prioridades a educação. Desde 1995, o clube tem vindo a apoiar estudantes carenciados do concelho da Figueira da Foz, perfazendo atá à data um total de 193 bolseiros. Anualmente, o clube também realiza uma cerimónia, em que distingue os 15 melhores alunos do 10.º,11.º e 12.º ano das três escolas secundárias da cidade.

 

N. – Actualmente tem a decorrer um projecto na área da Alfabetização/Educação (10 bolsas de estudo). É um projecto de continuidade?
M.T.M. – O projecto a decorrer na área da Alfabetização/Educação, de 10 bolsas de estudo será para ter continuidade, permitindo inclusivamente a entrada de novos bolseiros à medida que os actuais bolseiros terminem os seus cursos.
N. – Para concretizar este projecto têm parcerias?
M.T.M. – Ao longo dos anos, o Rotary Club da Figueira da Foz sempre conseguiu encontrar, entre os seus pares, nas empresas locais e no Município patrocinadores para as suas bolsas.
N. – Como está a decorrer este projecto que visa ajudar nos estudos 10 jovens estudantes?
M.T.M. – Este projecto tem sido muito acarinhado pelo clube e tem recebido sempre o melhor reconhecimento por parte dos estudantes apoiados e por parte da sociedade civil. A estreita relação de colaboração que estabelecemos com as escolas, permite que sejam as instituições de ensino a sinalizar situações de extrema carência e a encaminhá-las para o clube. Os estudantes têm sabido, ao longo dos anos, honrar os seus compromissos e responsabilidades, obtendo sempre o aproveitamento necessário que lhes permite a continuidade do apoio. Os elementos do clube conhecem bem os alunos apoiados, que, algumas vezes, se deslocam às reuniões do clube para connosco partilharem as suas vivências.
N. – Qual é a reacção das famílias a este apoio dirigido a ajudar a vida académica dos jovens estudantes?
M.T.M. – As famílias destes jovens, impossibilitadas de ajudarem estes filhos à medida dos seus desejos, vêem nos membros do clube os eternos amigos que guardam nas suas vidas.
N. – A área da Alfabetização/Educação e a do Combate à Fome e à Pobreza são duas áreas a que o clube tem dado especial atenção. Pensam diversificar a vossa acção na comunidade?
M.T.M. – Para além dos projectos que temos vindo a abraçar nas áreas da Alfabetização/Educação e do Combate à Fome e à Pobreza, este ano o clube abraçou um novo projecto na área da saúde, que conta igualmente com o apoio da FRP. Trata-se do projecto Vacinação Solidária em parceria com a ARS do Centro, que consiste na aquisição de vacinas, que estão fora do Plano Nacional de Vacinação, para ministrar a crianças carenciadas dos 0 aos 5 anos de idade.