Rotary Club de Santarém ajuda
Santa Casa da Misericórdia

“O apoio da Fundação Rotária Portuguesa tem sido fundamental”

Divulgamos mais um projecto enquadrado no novo regulamento de candidatura a projectos de apoio da Fundação Rotária Portuguesa (FRP). Conversámos com António Freitas do Rotary Club de Santarém (RC Santarém) Representante do Clube na FRP (past-presidente 2012/2013 e vice-presidente 2013/2014) e que acompanhou o projecto “Reestruturação de Salas de Estudo – Lar Casa da Miseriórdia”, concluído em Maio, com êxito. O projecto enquadrou-se na ênfase “Alfabetização/Educação”.

Notícias (N.) – O RC de Santarém candidatou já quatro projectos em diferentes ênfases. Que balanço faz?
António Freitas (A.F.)Na realidade estes 4 projectos foram todos enquadrados na ênfase da alfabetização e educação, seguindo um pouco a tradição e história do clube, onde ao longo dos seus 50 anos de vida, em comemoração desde 23 Setembro de 2013, este clube Rotário sempre dedicou especial atenção e deu apoio a projectos nesta área.
Prova disto é o facto do Rotary Clube de Santarém, manter com regularidade anual, a atribuição de Prémios Escolares para os melhores alunos de 5 áreas/cursos (Música, Inglês, Ciências Económicas, Electrotecnia/Comunicações e Saúde/Enfermagem), premiando e promovendo a excelência e esforço dos alunos. Ao longo dos últimos 20 anos, terão já sido distribuídos mais de 50 prémios escolares do Ensino Secundário, e ao ritmo de 5 prémios por ano, considerado por todos como um serviço à comunidade jovem Scalabitana, mas o clube já teve a oportunidade e conseguiu reunir os meios para atribuir e apoiar, com a ajuda da Fundação Rotária Portuguesa (FRP) e da Rotary Foundation, diversas bolsas universitárias a nível nacional e internacional.
Portanto o balanço destes projectos é bastante positivo, tanto mais que a sua execução envolveu a participação financeira das instituições beneficiárias, como parceiros activos na execução dos projectos. Temos de reiterar e realçar que o apoio da FRP tem sido fundamental, para o clube conseguir levar a cabo estas iniciativas, nestes tempos difíceis, da vida sócio-económica do nosso país, e que se repercute inevitavelmente na vida dos clubes rotários, e o RC de Santarém, não é excepção.
É também importante realçar, que este tipo de projectos tem um papel único e muito eficaz, na divulgação da imagem pública do Rotary, e em fazer chegar à comunidade o que é o Rotary e qual a sua missão e objectivos, como tal a este nível também o balanço é positivo, pela atenção que a imprensa local dá a estas notícias (Consultar recortes e fotos).
N. – O último projecto candidatado na ênfase Alfabetização/Educação foi executado no mês de Maio e teve como objectivo reestruturar uma sala de estudo do Lar de Infância e Juventude da Santa Casa da Misericórdia de Santarém. Como decorreu esta acção?
A.F.Fruto da participação activa de vários rotários ou das senhoras da Casa da Amizade do RC de Santarém nas direcções de algumas IPSS’s da cidade, a identificação das necessidades é sempre o início destas acções, mas que se reveste de particular importância para o projecto ter sucesso. De facto o Lar de Infância e Juventude da Santa Casa da Misericórdia de Santarém (SCMS) aloja em regime de internato cerca de 24 crianças e jovens, com situações familiares problemáticas, pelo que o objectivo final para estes jovens quando chegam aos 18 anos de idade é a sua integração na sociedade, em autonomia total. Uma das estratégias, senão a mais fundamental, passa pela conclusão do ensino escolar obrigatório e depois, em muitos dos casos pela participação em Cursos Técnico-Profissionais, que permitem uma mais rápida inserção na vida profissional, e têm sido alguns os casos de sucesso registados.
A renovação da sala de estudo, era uma necessidade urgente e essencial, para ajudar a manter e a melhorar os níveis de motivação destas crianças e jovens para as tarefas diárias escolares, e sem dúvida a obra feita, com a compra de equipamentos novos e mais adequados (cadeiras e mesas), bem como a renovação dos computadores, que tinham há muito já ultrapassado o prazo de vida útil e de funcionamento eficaz, estas despesas a cargo da FRP e do clube, e a renovação e melhoria das condições de iluminação e conforto da sala (pintura, novo pavimento e nova porta e janela), estas despesas e de maior monta, a cargo da SCMS, permitirá alcançar seguramente aqueles objectivos.
N. – Para além dos fundos do clube e do apoio da Fundação Rotária Portuguesa quem foi o vosso parceiro?
A.F.O nosso parceiro, neste caso concreto, foi a Santa Casa da Misericórdia de Santarém, a instituição que tem a seu cargo a gestão e financiamento (na ordem de mais de 100 mil euros por ano, além do contributo estatal para estas instituições) do Lar de Infância e Juventude da Santa Casa da Misericórdia de Santarém. Pensamos que este modelo de co-participação das instituições nestes projectos é uma garantia maior para a sua prossecução com êxito, além de aumentar a sua responsabilização, perante a comunidade para a boa gestão e bom uso do bem comum e de todos os apoios que consigam reunir.
Este é um projecto centenário da SCMS, que apesar de ser uma fonte de custo, e de valor elevado, é uma necessidade permanente, pois a inserção destes jovens na comunidade, além de solucionar o seu problema pessoal, serve de exemplo e de modelo a seguir para outros jovens em situação semelhante, portanto eles próprios ao conseguirem pelo seu esforço pessoal a integração total e com autonomia plena na nossa sociedade, irão ser seguramente funcionar como exemplo para outros jovens em situação semelhante procurarem seguir a mesma estratégia.
No caso dos outros 2 projectos apresentados este ano, os nossos parceiros foram o Lar de Santo António, que com o apoio da Câmara Municipal de Santarém, esta a levar a cabo, a renovação do parque de promoção do lazer e do exercício físico bem como o Lar de Meninas da Fundação Madre Andaluz, que também está a renovar a sala de estudo.
N. – Qual a reacção da instituição parceira e dos jovens estudantes ao saberem do apoio que o RC de Santarém ia prestar para a tornar o espaço de estudo mais condigno?
A.F.A reacção, como não poderia deixar de ser, foi bastante positiva, e a visita já efectuada à instituição foi prova disso, estando já a nova sala em pleno funcionamento. Também as técnicas que prestam o essencial apoio educativo/pedagógico, psicológico e de animação cultural, realçaram a importância que esta acção teve na motivação das crianças e jovens, para as tarefas diárias de estudo, e para alcançarem o sucesso e aproveitamento escolar.
Ainda não aconteceu, mas está já agendada a visita do clube à instituição num dos dois dias (4.ª-feira e sábado) em que os jovens, planeiam e confeccionam o seu jantar, e aí seguramente em viva voz irá o clube partilhar estes sentimentos com os principais beneficiárias deste importante projecto. 
N. – O clube pensa candidatar novos projectos no futuro? Em alguma área específica?
A.F.Seguramente que o clube irá continuar a candidatar projectos na área educativa, tanto mais que, sendo uma área, que quase se pode dizer de especialidade e tradição do clube, temos já uma obrigação para com a comunidade, em manter esta linha de apoios e de serviço. Mas apesar dos 5 Prémios Escolares Anuais estarem parcialmente financiados através de fundos consignados mantidos na FRP em nome do clube e dos familiares de saudosos companheiros Rotários, que querendo perpetuar o seu nome e manterem uma acção de serviço, escolheram esta nobre forma de praticar este intento, o seu rendimento anual, fruto das evoluções económico-financeiras e das taxas de juro, nem sempre permite fazer face a todas as solicitações, pelo que o apoio da FRP é sempre uma necessidade e muito bem-vindo.
Pensamos alargar este próximo ano Rotário a nossa acção noutra ênfase e possivelmente iremos candidatar um projecto na área da promoção da saúde, para finalmente conseguirmos levar à prática o Projecto FRAD (Frente Rotária Anti-Diabetes), que a nível do D1960, já deu alguns passos, mas mais clubes têm de abraçar esta ideia, para prestarem um excelente serviço comunitário e para que se FAÇA O ROTARY BRILHAR, já que a prevenção deste flagelo que é a diabetes urge, pois as estatísticas oficiais de 2013 (Observatório Nacional da Diabetes) mostram que há em Portugal uma prevalência de cerca 27% de pessoas (20-79 anos) com pré-diabetes, o que faz um total de cerca 40% de portugueses (3,1 milhões) com diabetes ou pré-diabetes.