Jovens participaram activamente
na realização do projecto

Rotary Club Interact e Rotary Kids de Viana do Castelo

Damos conta de mais um projecto enquadrado no novo regulamento de candidatura a projectos de apoio da Fundação Rotária Portuguesa (FRP). Conversámos com Luís Carlos Teixeira da Costa, responsável por acompanhar o projecto “Arranjo de Habitação Família Carenciada”. O projecto enquadrou-se na ênfase “Combate à Fome e à Pobreza”.

Notícias (N.) – O Rotary Club Interact e Rotary Kids de Viana do Castelo, com o apoio do Rotary Club de Viana do Castelo candidataram, em conjunto, o projecto “Arranjo de Habitação Família Carenciada”. Foi difícil planear e candidatar o projecto e coloca-lo à apreciação da Fundação Rotária Portuguesa? Que balanço fazem?
Luís Costa (L.C.) – Foi muito fácil a candidatura. O formulário é de fácil preenchimento e a aprovação junto da FRP foi imediata. O balanço é totalmente positivo. Com a aprovação deste projeto melhoramos definitivamente as condições de vida de uma pessoa que não tinha qualquer outro meio de o conseguir.
N. – O presente projecto “Arranjo de Habitação Família Carenciada” insere-se na ênfase “Combate à Fome e à Pobreza”. É um projecto ambicioso. Querem comentar?
L.C. – O projecto para a remodelação desta habitação era de facto bastante ambicioso. Partir para uma obra, inicialmente orçada em 11.500,00€, apenas com recursos financeiros garantidos pela Fundação Rotária Portuguesa (FRP) e do Rotary Kids e Interact de Viana do Castelo, num valor global de 3.500,00€, foi arrojado. Surgiram ainda necessidades de trabalhos, fruto do estado de degradação do edifício que aumentou para mais de 15.000,00€ o valor final da obra.
Contámos desde o início com alguns parceiros para a prestação de serviços e fornecimento dos materiais, mas a nossa maior surpresa foi quanto ao elevado número de novos parceiros que foram voluntariamente surgindo ao longo do processo, oferecendo dias de mão-de obra por cada especialidade.
N. – Para a concretização deste projecto celebraram parcerias? Se sim com quem?
L.C. – Este projecto não seria possível sem o apoio dos inúmeros parceiros.
Tivemos o apoio do Município de Viana do Castelo e da Junta de Freguesia de Alvarães.
Contamos também, após aprovação do projecto, com um apoio financeiro de 500,00€ da Fundação Caixa Agrícola. Mas, para a concretização deste projecto foi fundamental o apoio das inúmeras empresas e empresários do ramo da construção civil, que nos ofereceram praticamente todo o material e mão-de-obra necessária à execução desta remodelação.
De realçar que no final do projecto foi possível:
1) Substituir todo o madeiramento do telhado e respectiva telha;
2) Revestir em capoto todas as paredes exteriores, permitindo assim um melhor isolamento térmico;
3) Aplicar tecto falso em gesso cartonado em toda a moradia;
4) Substituição integral da rede elétrica;
5) Revestimento cerâmico em todo o pavimento;
6) Remodelação integral da casa de banho;
7) Remodelação integral do mobiliário da cozinha, sala e um quarto.
N. – Como descobriram a realidade em que vivia a família beneficiária do projecto?
L.C. – Todos os anos estes dois clubes de jovens realizam um projecto de recolha e distribuição de cabazes de Natal. Este ano a freguesia escolhida foi Alvarães, e no decorrer dessa distribuição tomamos conhecimento das enormes dificuldades em que viviam algumas famílias. De imediato surgiu a vontade de melhorar as condições de habitabilidade de uma delas tendo a candidatura à FRP surgido como solução. Após alguma ponderação dos possíveis candidatos, esta foi a moradia escolhida. Quisemos ajudar alguém que no final do processo tivesse meios para sustentar os trabalhos efectuados, ou seja, alguém para quem esta intervenção fosse uma viragem marcante na vida e não apenas mais uma oferta.
N. – Qual a reacção da família a esta ajuda do Rotary Club Interact e Rotary Kids de Viana do Castelo?
L.C. – Inicialmente incrédula sobre aquilo que nos propúnhamos realizar, ficou no final imensamente grata pelos trabalhos e pela melhoria na qualidade de vida que a intervenção irá provocar.
N. – Planos para o futuro? Candidatar novos projectos?
L.C. – No passado estes dois clubes de jovens realizaram um projecto financiado pela FRP e é intenção manter esta prática. A comunidade local está atenta e até já vão surgindo pedidos expressamente para este tipo de projetos. Está em análise a possibilidade de nos candidatarmos a algo semelhante num futuro próximo.